16 de outubro de 2013


Desde quando as certezas eternas dos quinzes anos se esvaíram deixando um sólido espaço de ilusão, quando passei a substituir as sextas agitadas e os sábados ensolarados por livros e chá, ou então, a me trancar no quarto lendo, dormindo e chorando, perdida entre resquícios de passado e medo do futuro, me fiz em mil pedacinhos (ou milhões), assim sem querer, e fiquei difícil de lidar. Não mais tanto por fora. Pelo contrário. Inverti os papéis e me meti nos cantos e salas de leitura, e apesar que muitos dizem que já perdi uma boa parte da vida dormindo, eu sei que os melhores momentos da minha vida foram os de silêncio, em que ouvi a voz de cada um de meus cinco sentidos.

Tudo bem que ignorei há muito tempo a possibilidade de ser um rostinho bonito e uma consumista desmedida, e às vezes me odeio por chegar a tal ponto. Achei que me distanciando eu seria menos tudo aquilo. Me enganei. Pois ainda há em mim, bem vivo e aceso, o monstro da futilidade, do desprezo e do orgulho. Por outro lado não consigo ignorar o fato de que estas palavras são inúteis, pois elas não podem mudar o mundo. E tudo, por um bom período de tempo, me parece inútil, quando me vejo fora de mim.

De qualquer forma, quando finalmente consegui juntar todos os mil pedaços que me tornei, um ou outro insiste em se perder. Da mesma forma que outros diferentes tentam se encaixar. E isso dói muito. Então eu choro. Choro pra moldar minha alma e deixar escorrer cada lágrima que o coração, inchado, deixou se apertar. Só assim tenho disposição pra cantar. Pra sorrir. Pra viver.

Depois de tanto não conseguir entender, não conseguir ouvir, não conseguir falar... Não conseguir mudar absolutamente nada... Passei mesmo a me entender, a me ouvir, me mudar. O duro foi ver que nunca consegui porque era mesquinha demais para perceber. E até me arrependi por sorrir tanto à toa. Mas se hoje ainda sou capaz de sorrir, quer dizer que as coisas, até o momento, voltaram aos eixos, e Deus não me deu nenhum contrato de tempo para que permaneça assim.

Até lá, continuarei com os surtos de ansiedade e os choros sem motivo. Mas não quer dizer que não sou grata por ter o dia de hoje para mim. Não sou o tipo capaz de desconfiar das coisas e essa visão otimista às vezes me mantém em uma zona de conforto. Mas não tenho outra opção a não ser continuar caminhando, ouvindo minha razão, escrevendo com o coração e profundamente esperando que o caminho que sigo, se não seguir a trilha do que desejo e espero, que ao menos me deixe em casa, de preferência, em algum colo de aconchego.

O que achou?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

10 comentários:

  1. Que lindo teu texto! Conflitos assim, que nós enfrentamos internamente e com nós mesmos, servem para nos ajudar a nos definir e crescer, e é claro, escrever um pouquinho :)

    Beijos!
    http://meninamoderna-blog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. 'Depois de tanto não conseguir entender, não conseguir ouvir, não conseguir falar... Não conseguir mudar absolutamente nada... Passei mesmo a me entender, a me ouvir, me mudar.' adorei.... vem cá, voce sei la, anda me espionando? tipo não é uma acusação é apenas uma pergunta., hahahah serio, sei la, me identifiquei :)

    Nossa desculpe a demora viu haha bjs ->inocentementeingenua.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Boa noite :)
    Ficou muito bom seu texto.
    Sobre isso de ignorar o mundo,tentar ser diferente mas no fundo ter ainda aquela parte sua que você considera "ruim"..eu te entendo,já passei por isso.

    Beijos e tenha uma boa semana
    Rimas Do Preto

    ResponderExcluir
  4. Essa sensação, apesar de sufocar, às vezes faz bem.

    Beijinhos,
    www.procurei-em-sonhos.com

    ResponderExcluir
  5. Adorei o texto *O*
    Mil beijus, http://www.brilhesempre.com/2013/10/top-5-batons-natura.html

    ResponderExcluir
  6. é bom se fechar um pouco para tentar descobrir quem somos, passa a ser ruim quando nso fechamos totalmente enso esquecemos que a melhor forma de aprender sobre a vida é vivendo.
    Muito bom seu texto.
    Beijos
    barradosno-baile.blogspot.com
    @torresaamanda

    ResponderExcluir
  7. Prazer em conhece-la Senhorita Suzana, meu nome é Pedro e gosto muito daqui.
    Achei, por acaso, alguns pedaços seus em todos textos que li e os trouxe para que fique bem.
    Acho que deixamos um pedaço nosso em cada pessoa que encontramos em nosso caminho. Nunca cheguei a conhecê-la de verdade, o que é uma pena, contudo acho que quando se sentir perdida você pode se achar em todos os seus. Aqueles que te fazem bem e outros os quais o bem você faz, nem que seja com uma linha, uma conversa, um pedaço de pão ou de poesia e eles vão te ajudar a ser completa com eles ou quando não estiver perto de ninguém, porém, nunca sozinha! =)
    Que seja Suzana sempre e que seja feliz o quanto puder! E seja a pessoa mais interessante que nunca conheceu por completo, pois se conhecer é a mais longa e divertida aventura e será muito bom conhece-la outras vezes! Haha XD

    Abraços menina Suzana! Haha =D

    P.S: Tá NamoranDO! Tá namoranDO! =DDDDDDD
    Muito feliz em saber que arranjou alguém tão "tudibão" pra você e cuidem-se bonitinho pra viverem muitas boas aventuras e nos contarmos pelo menos algumas poucas e bobas! O/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha muito obrigada Pedro *-* Você é demais mesmo!!

      Excluir

Deixe sua opinião, será muito bem vinda!

Caso tenha alguma duvida, pergunte, e volte no post que logo será respondido.

Os comentários não aparecem aqui assim que você comenta, todos os comentários são moderados, e podem demorar um pouco para aparecem na página.

ATENÇÃO BLOGUEIROS: Evite spam, não deixe mais de um link na sua postagem, ao contrário ela não será aceita. Eu retribuo COMENTÁRIOS DECENTES. :)