21 de maio de 2015


Pintei as unhas de vermelho. Jurei que agora as coisas poderiam ser diferentes. Meus planos para esse ano ainda estão em branco. Minhas palavras se tornaram um vácuo, um grito no escuro, e meus objetivos se tornaram um fardo. Me chateei com a vida. Às vezes as músicas tocam e meus olhos se molham, no ônibus, no show da minha turma, no meio do trabalho. Muitas delas dizem tudo que não consigo dizer. Os olhos se encharcam, e há um aperto no peito, uma sensação de "não foi dessa vez".

Queria muito entender como foi, o que aconteceu comigo, para que eu fosse essa garota de óculos e cabelo desgrenhado que se tranca no quarto e escreve para o computador. Queria saber onde me perdi nesse caminho, onde perdi a graça, onde perdi aquilo que eu jurava que seria eu. Não é, não fui.

Sinto falta de quando o tempo não pesava nas costas, de quando correr não era tão cansativo, de quando chorar aliviasse. É que com o tempo se aprende, que de nada adianta chorar. Fiquei de mal com a vida. Não, ela não precisava me deixar de cama justo quando eu disse que iria trabalhar melhor, ou fazer aquela moto me atropelar quando eu disse que chegaria em casa dessa vez cheia de energia para mais. Ela tinha que me pegar, me jogar no chão, e não ter pra quem contar, não ter pra quem chorar, não ter pra quem desabar. O tombo acho que nem doeu, quando lembro que levantei sozinha.

Se perguntarem, estou bem. Como é que vou explicar que tá dolorido? Que ando com medo? Que o choque assusta, que nascem monstros... Eu apenas sigo em frente, atravesso as ruas, sinto a tontura. Derroto um monstro, dois, três. Não, não de salto alto. Não, não de maquiagem e cabelo impecável. Não, definitivamente não esperando príncipe encantado. To cansada demais pra ser superficial, cheia de não-me-toques, princesinha. 

Eu não tenho cavalo branco, monto minha vida, que é um quebra-cabeça... Dá um desconto pra eu ser eu mesma, vai...


19 de maio de 2015

disney
A minha frustração foi maior que a minha curiosidade. Eu estava tão empolgada pra assistir esse filme que assim que lançou eu fui correndo assistir. Peguei fila, comi metade da pipoca, tomei todo o refrigerante e fiquei morrendo de vontade de fazer xixi. Sem contar o frio que estava dentro da sala de cinema. Ou seja, poupem seu dinheirinho.

Em primeiro lugar: eu ODEIO musicais, tenho um trauma enorme depois que assisti Os Miseráveis. O filme é um musical. SHIT!

O filme interliga os famosos personagens dos contos de fadas: Chapeuzinho Vermelho, João (o do pé-de-feijão), Rapunzel e a Cinderela. Até ai tudo bem. Os contos de fadas se ligam quando a bruxa (interpretada maravilhosamente pela Meryl Streep) chega a uma padaria dizendo ao coitado do padeiro que o pai dele tinha roubado o passado dela e que ele vai pagar por isso se não trouxer tudo o que ela quer para fazer uma poção. O padeiro e sua mulher tem que trazer todos os ingredientes pra bruxa até a meia noite do terceiro dia. A bruxa pede: uma capa vermelha como sangue, uma cava como leite, um cabelo como milho e um sapato de ouro. Ai é que tudo fica obvio porque por cada objeto pedido vocês já sabem de que personagens são.

jonny depp
Sim, Jonny Delícia Depp aparece. Mais não pensem vocês que a presença dele é fundamental para o filme, muito pelo contrário. A aparição dele é curta porém, diva. Eu particularmente me decepcionei muito com o filme, eles cantam muito e a voz de alguns personagens são chatas e esganiçadas. Achei o final trágico demais e achei que a Disney pecou MUITO na questão dos efeitos. O tempo todo você percebe que a floresta não ta ali, que nada ali é real, e isso é realmente algo frustrante vindo da Disney. Personagens divos? Sim. Figurinos e maquiagens impecáveis? Sim. Porém, a história poderia ter sido melhor explorada e menos cantada. Achei bom o que interligou todos os personagens, mais é aquele tipo de filme que não da pra engolir.




Por mais que eu esteja acostumada com a cantoria dos filmes da Disney achei que nesse filme foi exagerada, e o clichê de que devemos sonhar e mimimimi ficou bem obvio: "Cuidado com o que você deseja, pois pode se tornar realidade". Ao contrário dos  filmes atuais da Disney que conseguem arrancar algumas lágrimas, esse filme me deu apenas sono, nenhum outro sentimento além disso. Super sem graça.

E ai concordam com minha opinião? Espero o debate nos comentários! ♥
Beijos, até a próxima!

18 de maio de 2015

]maio
O mês de abril passou voando! Tão rápido que não sobrou tempo pra comprar o que eu queria! O mês inteiro trabalhei um pouco mais, o que me esgotou completamente. Em contra-partida, esse mês rendi legal e já fiz a minha wish list para não perder o foco (faz toda diferença, né?)! ♥ Antes de entrar em mais detalhes, quero me desculpar pela minha falta de atenção com esse cantinho. A vida tem corrido muito, e andei apanhando de diversas coisas ruins (como gripe forte, por exemplo). Mas prometi que a partir dessa semana a vida muda. Bora conferir a lista?

1. Pulseira Bird: Acessórios nunca são demais, porém são tão caros que quando vou comprar fico assustada com o quanto ainda preciso para chegar no meu "ideal". Essa pulseira é muuuito fofa, minha cara.

ü2. Carteira Feminina: Desde que comecei a trabalhar estou enrolando para comprar uma carteira. A verdade é que vivo procurando o modelo certo, que será parecido com esse da Marisa: básico, bonito, simples, não chama muita atenção e combina com tudo!

3. Pulseira Vintage: Sou apaixonada pelos acessórios dessa loja, apenas ♥

4. Pela luz dos olhos seus: Tenho uma pequena queda por livros que tem capa de rostos... Os olhos sempre parecem me encarar lá na loja... E eu nunca resisto! Pela luz dos olhos seus é romance daqueles que a gente não resiste ler e embarca numa delícia de leitura.

5. Blusa Rosa: Pra recombinar o guarda-roupa: cores!

6. Blusa creme: Pra combinar com meu sapato rosa de bolinha marrom. rs Esse modelo é delicado. Pode ser o que procuro.

17 de maio de 2015


Sou um detalhe, sou uma canção, uma gota, um piscar de olhos, um universo particular. Sou uma boba. Sou sorrisos, até por vezes regados de lágrimas. Sou um coração no mundo. Tento encontrar a rua que me perdi. Ou o rumo que eu ia tomar mas esqueci. Sou tão pequeninha, não sei porque não me encaixo por aqui.

Fui um furacão. Mas por hora, estou cansada, confesso. Sigo meu caminho, trilho a rua do ilusão. Excedo muros, atravesso pontes, olhos nos olhos, procuro um coração. Um que comporte o meu infinito. Que abrace minhas trevas. Encharque-me de luz.

Sou uma frase, ou um parágrafo curto. Não sou um resumo. Preciso que me decifre. Que veja o que eu projete, acredite nos meus sonhos absurdos. Eu preciso sonhar junto. Eu preciso compartilhar minha solidão. Eu preciso parar de rir de tudo. Eu preciso muito, confesso, chorar um pouco.

Certifiquei minhas dúvidas, resolvi as questões, li os livros, estudei aqueles assuntos. Mas a vida precisa de um pouco de graça, a rotina precisa sair da rotina. Um tempero, uma borboleta, um beijo e um carinho. Eu também quero. Basta agora só abrir o coração.

Mais que a batata frita, mais que esse chocolate, mais que os quilos que ganhei ou perdi. Mais que tudo que comprei. Mais que meu guarda-roupa arrumado. Mais que esse texto-todo-regrado. Mais que a preguiça que me vi. Mais que o que sou.

Florescer de ponta-cabeça.